Afinal, o que é uma peça injetada e para que serve?

Não é raro que uma pessoa que esteja de fora da indústria venha nos perguntar o que fazemos. E após ouvirem “injeção de peças plásticas” logo vem a segunda pergunta: que tipo de peças são essas? Peças termoplásticas injetadas atendem a uma infinidade de mercados na indústria. Desde engrenagens para pequenos aparelhos, lacres e capas de segurança até tampas de embalagens líquidas. Sempre que você vai desenvolver algo muito específico, precisa criar uma peça que não existe no mercado ainda. Na Inplasf, desenvolvemos tanto os moldes como as peças em si. Muitas vezes um equipamento antigo, que não encontra mais reposição de peças no mercado pode ser assistido por uma peça injetável feita especificamente para este uso. Mas em geral, as peças injetáveis são produzidas para utilização em larga escala.

O mercado de autopeças, por exemplo, é um dos que mais demanda esse tipo de produto. As peças injetadas também são muito requisitadas em setores que têm a necessidade de alta precisão dimensional, ou seja, peças muito específicas que necessitam de um encaixe perfeito. Afinal, você não quer nada chacoalhando dentro do seu carro, ou uma engrenagem que desgaste ou empene com o tempo, não é?! Para desenvolver e produzir esse tipo de peça, é preciso levar em consideração o uso final de cada uma delas. Dependendo da sua utilização, alguns materiais podem ser mais ou menos indicados. Isso porque os materiais apresentam características de contração e estabilidade térmicas diferentes. A flexibilidade ou não de cada material interfere tanto no processo de fabricação como no uso, depois que a peça fica pronta.

Vamos usar como exemplo, uma retrovisor de caminhão. Essa é uma peça que fica exposta a altas temperaturas com muita frequência. Para a sua fabricação, você vai precisar de um polímero que não deforme (ainda que expanda) quando submetido a essas temperaturas. Este tipo de peça plástica ainda suporta o encaixe com outras peças e precisamos entender bem o comportamento dela durante a sua vida útil para que ela possa oferecer a melhor experiência para o consumidor final.

No processo de moldagem por injeção, que permite a produção de peças com geometria complexa, algumas variáveis têm de ser consideradas. Para o desenvolvimento do molde, onde será injetado o material para formação da peça, temos de levar em conta as diferentes dimensões das paredes do produto - para corrigir as contrações dos materiais. Essa contração ocorre tanto no resfriamento do produto quanto fora do molde.

Como já seria de se esperar, materiais com tecnologia de ponta são atualmente responsáveis por uma melhor estabilidade térmica depois do produto injetado pronto. Peças utilizadas em motores de carros, por exemplo, devem manter suas dimensões (como em roscas e travas) e propriedades (como dureza e resistência química) mesmo após longos períodos em contato com altas temperaturas. Portanto polímeros que aliam essas necessidades a alta produtividade exigida na indústria vem revolucionando o mercado e os novos produtos que chegam ao consumidor.

A Inplasf desenvolve peças técnicas desde 1979. Neste longo caminho, desenvolvemos a experiência para produzir e entregar peças injetadas com a melhor qualidade, durabilidade e custo-benefício. Podemos ser seu parceiro no desenvolvimento de produtos com altas exigências. Entre em contato e solicite um orçamento sem compromisso.